null: nullpx
Séries Netflix-Zappeando

"O Caso Asunta": Por que Alfonso e Rosário adotaram a menina? Doença foi chave

Casal adotou Asunta quando ela tinha apenas 9 meses e foi condenado a 18 anos de prisão pela morte dela
Publicado 9 Mai 2024 – 12:00 PM EDT | Atualizado 9 Mai 2024 – 12:01 PM EDT
Compartilhar
Default image alt
Rosario (Candela Peña) e Alfonso Basterra (Tristán Ulloa) em "O Caso Asunta" (2024) Crédito: © 2023 Netflix, Inc.

"O Caso Asunta", minissérie baseada em fatos reais da Netflix, acompanha a investigação do desaparecimento e assassinato de Asunta Basterra, de 12 anos, adotada pelos espanhois Alfonso e Rosario, que foram considerados culpados pelo crime que aconteceu em 21 de setembro de 2013 e teve grande repercussão na mídia espanhola.

Por que Alfonso e Rosario adotaram Asunta Basterra?

A minissérie da Netflix reconstrói o assassinato de Asunta Basterra. Em setembro de 2013, Alfonso e Rosário chegaram a notificar o desaparecimento da criança, mas rapidamente foram apontados como responsáveis pela tragédia.

A menina, de origem chinesa, foi adotada quando tinha um ano por Alfonso Basterra e Rosario Porto, que eram de Santiago de Compostela, na comunidade autônoma da Galiza, no noroeste da Espanha.

Casados desde 1996, os dois decidiram adotá-la em 2000, devido à doença de Rosario, que sofria de lúpus eritematoso, condição que dificulta a gravidez e pode levar à morte da mãe durante a gestação ou no parto.


O quadro foi fundamental para que optassem pela adoção. Quando Asunta chegou, tinha apenas 9 meses e foi criada em um ambiente privilegiado e aparentemente feliz, com pais ricos e influentes na Espanha.

Na época, Alfonso era uma jornalista ecônomico conhecido no país, enquanto Rosario era uma advogada de sucesso. O casal se divorciou em fevereiro de 2013, poucos meses antes do assassinato de Asunta, cometido pelos pais.

Diante da separação, ficou definido que o pai adotivo ficaria responsável pela criança e a mãe, que já sofria com lúpus e crises constantes de depressão, daria o suporte financeiro necessário, morando em apartamento próximo ao deles.

No dia 21 de setembro de 2013, Alfonso e Rosario reportaram o desaparecimento de Asunta às autoridades. Pela manhã, um casal encontrou o corpo dela em uma área próxima à casa de campo dos pais adotivos.


Asunta foi asfixiada e encontrada amarrada em cordas laranjas, após ter sido dopada com alta dose de lorazepam, calmante utilizado para o tratamento de ansidade. Ao depor, o ex-casal apresentou algumas inconsistências.

Durante as investigações, foi comprovado que Alfonso comprou o medicamento usado para dopar Asunta e que a criança não tinha ficado em casa quando Rosario alegou que foi visitar a família, com imagens de câmera de segurança delas juntas em posto de gasolina.

A mãe teria pedido ainda para usar o banheiro após saber do crime, quando foi ao quarto e tentou se livrar de pedaços da mesma fita laranja com a qual Asunta foi amarrada, enquanto Alfonso foi apontado como autor por ter planejado cada um dos passos.

Dois dias após o assassinato, Rosario foi presa e Alfonso teve o mesmo destino. Ambos aguardaram o julgamento presos, até serem condenados, em março de 2016, com 18 anos de prisão estipulados como pena. Rosario se suicidou na prisão em 18 de novembro de 2020.

Séries da Netflix

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse