null: nullpx
Fuzuê

Maria Navalha assiste Pascoal ser condenado e se orgulha de Luna na reta final de "Fuzuê"

Protagonista consegue justiça pelo roubo do dinheiro de seu tesouro e aplaude depoimento da filha nos últimos capítulos
Publicado 27 Fev 2024 – 07:43 AM EST | Atualizado 27 Fev 2024 – 07:43 AM EST
Compartilhar
Default image alt
Maria Navalha (Olivia Araujo) e Pascoal (Juliano Cazarré) em "Fuzuê" (2023) Crédito: Reprodução/Globoplay

Maria Navalha (Olivia Araujo) vai acabar tendo um papel decisivo para ajudar a condenar Pascoal (Juliano Cazarré) por ter roubado o dinheiro do tesouro enquanto estava hospitalizada e frágil em "Fuzuê". A mãe de Luna (Giovana Cordeiro) depõe contra o bandido, assim como a mocinha, nos últimos capítulos da novela.

Maria Navalha ajuda a condenar Pascoal em "Fuzuê"

No capítulo desta terça-feira (27), o vilão irá a júri popular, se desesperando quando percebe que dificilmente vai conseguir escapar da pena, esperança que tinha antes de saber das testemunhas.

"Senhora Maria, é correto afirmar que, acreditando que assinava sua alta hospitalar, pra voltar pra casa, a senhora foi enganada e assinou uma procuração?", questiona Miguel (Nicolas Prattes).

"Uma procuração que dava plenos poderes a Pascoal Garcia. Poderes para executar o golpe milionário que já estava em curso?", completa ainda o advogado. "Sim. Eu assinei um documento, ainda na cama", confirma Maria.


"Com muita dificuldade, mas obrigada por ele", esclarece a vítima. O delegado Barreto (Rogério Brito), Cecília (Cinnara Leal) e Vânia (Ingrid Klug) também prestarão seus depoimentos, mas o destaque fica para Luna.

"Se esse sujeito sair impune daqui, hoje, Excelência... Ele é capaz de tudo contra nós. Quero lembrar aos jurados que, além do golpe financeiro contra a minha mãe, esse homem está sendo julgado aqui por dois assassinatos! Eu temo pela minha vida e pela vida da minha mãe!".

Pascoal chega a culpar César (Leopoldo Pacheco) e Preciosa (Marina Ruy Barbosa) pelo roubo do tesouro. "Eu sou um homem bom, Excelência. Um trabalhador, que veio de baixo e que estudou muito para chegar até aqui".


"E eu só cometi um erro: o de cumprir, com a máxima competência, as ordens dos meus superiores. Não era eu que devia estar no banco dos réus. Mas sim o senhor César Montebello e sua filha Preciosa, que se aproveitaram da minha dedicação ao trabalho para se livrarem de qualquer acusação".

Interpretada por Isabel Fillardis, a juíza comunica sua sentença. "Após o regular julgamento do réu pelo Conselho de Sentença, de acordo com os termos da votação anexa, o senhor Pascoal restou condenado a todas as acusações contra ele dirigidas".

Últimos capítulos de "Fuzuê"

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse