Atriz fala das descobertas de Ivana em A Força do Querer: “O público é cúmplice dela”

por | maio 25, 2017 | Televisão

No ar em “ A Força do Querer”, novela das 21h da Rede Globo, Carol Duarte brilha em seu primeiro papel na televisão. Na trama, a atriz dá vida à Ivana, filha de Eugênio (Dan Stulbach) e Joyce (Maria Fernanda Cândido), uma jovem que se descobre transexual ao longo da história. Assunto delicado, quem acompanha a trama percebe que este vem sendo abordado com muita sutileza e respeito pelos autores do folhetim.

“É uma responsabilidade muito grande. A Ivana é uma personagem muito difícil, muito encantadora, está sendo uma experiência única interpretá-la. Eu sabia que a construção desse personagem teria que ser muito bem feita, muito estudada – na medida em que o Brasil é o país que mais mata transexuais. É absolutamente importante falarmos sobre isso. Fico muito feliz desse tema estar sendo tratado em uma novela das nove, muito honrada de poder fazer a Ivana e dividir com o público essa história que a Gloria Perez está escrevendo”, contou Carol Duarte em entrevista ao VIX.

https://www.instagram.com/p/BSUziTPAnbo/?taken-by=carooolduarte

Com uma história de vida tocante, aos poucos o público vai acompanhando os passos da descoberta de Ivana na novela. Os questionamentos e confusões da personagem são divididos com os telespectadores, fazendo com que descubram juntos o que está acontecendo e se envolvam cada vez mais na trama.

“A escolha da Gloria Perez é muito inteligente, enfoca o olhar no momento em que a Ivana não tem nenhum contato com o universo trans, o espectador é quase um cúmplice da Ivana. Isso faz com que o olhar diante da questão trans seja distante de qualquer preconceito, então quem assiste pode se sentir impelido a saber mais sobre o tema, a conversar dentro de casa. Eu acho isso muito positivo”, disse Carol.

Preparação para viver Ivana em “A Força do Querer”

Globo

Carol Duarte pode ser uma estreante na TV, mas é uma veterana do teatro – onde foi descoberta. Escolhida já para uma novela das 21h, a atriz agora experimenta novas experiências em sua carreira artística, bem diferente de tudo o que havia feito antes.

“No teatro, a relação com o tempo é diferente, é mais artesanal: tem o encontro com o público e a peça acontece no aqui e agora. Na TV temos a mediação da câmera, onde há cada detalhe que pode dizer tudo, além de conduzir o olhar do espectador na história. Estar com atores mais experientes, como a Maria Fernanda Cândido, tem me ensinado muito, porque há um domínio da linguagem, do ritmo da novela, do tempo mais rápido”, confessou a atriz.  

Globo

Para construir e interpretar Ivana em “A Força do Querer” foi necessário bastante esforço e dedicação por parte de Carol. Foram muitos laboratórios para ficar por dentro do tema, além de conversas com pessoas que já passaram pelo momento de transição retratado nas telinhas.

“Conversei com muitas pessoas trans, mais homens do que mulheres. Todas as que eu tive contato foram muito importantes, quis ouvir algumas histórias para que a Ivana pudesse, de certa forma, ser construída a partir dessa pluralidade, porque eu sabia que depois a Gloria Perez ia conduzir de maneira singular a trajetória da personagem”, conta Carol, que encontrou nos trejeitos dos entrevistados ainda mais riqueza ao compor Ivana.

“Ouvi muitas histórias de homens trans, e em cada um o corpo, o jeito de mover as mãos, as risadas envergonhadas, constrangidas, nervosas, relaxadas, os tempos, os silêncios, as pausas, os desvios do olhar me contavam mais do que o discurso falado. Fui pega por esses detalhes, de alguém que tenta dar conta com as palavras de uma experiência tão profunda e nessa tentativa acaba falando quando não está soltando uma palavra da boca”, explicou.  

“Também vi muitos vídeos na internet de pessoas trans que estão fazendo a transição agora. Eu acompanho alguns canais há um tempo, e eles falam sobre suas sensações, sobre as descobertas, as depressões, as conquistas, as modificações, os pormenores do cotidiano são muito ricos. Vi alguns filmes que tratam do tema, como ‘Meninos não choram’ e ‘Tomboy’. Também uma série chamada ‘Transparent’ muito interessante, além de alguns livros que olham para essa questão de gênero em diversas perspectivas”, completou a atriz.

https://www.instagram.com/p/BTtc70AherX/?taken-by=mariafernandacandidooficial

Cena do espelho

Uma das cenas mais marcantes de Ivana em “A Força do Querer” foi a “briga” da personagem com o espelho: deprimida por não se reconhecer em seu próprio corpo, ela acaba atirando um sapato no espelho e é acusada pela mãe de não “cultivar o feminino”. Para gravar passagens fortes como essas, é necessária muita preparação para se concentrar e não se misturar com o drama do personagem.

“Tenho que ter o mínimo controle de sair daquela atmosfera quando a cena chega ao fim, mas é inevitável que eu seja afetada, que meu corpo sinta, afinal ele foi estimulado para viver tudo aquilo. É preciso ter certo domínio da cena para parar a ação, porque é uma ficção – até para conduzir a cena para onde ela tem que ir – e não ficar a mercê de um certo descontrole emocional meu, é uma linha tênue”, revelou a artista.

https://www.instagram.com/p/BUA3WXBg1qK/?taken-by=carooolduarte

Realidade trans no Brasil

Para Carol Duarte, abordar a realidade transgênero e explicar o que é ser transgênero na televisão brasileira é muito importante para que as pessoas possam entender melhor a questão no País. De acordo com a atriz, é uma possibilidade de diálogo e quebra de preconceitos, dando abertura para que os telespectadores busquem mais informações sobre o assunto.

“Se pensarmos que já morreram mais de 100 pessoas LGBTs somente este ano, que o Brasil é um dos países mais perigosos para pessoas trans viverem, a importância de tratar disso num veículo que atinge tantas pessoas é esperançosa. É muito interessante levar para dentro da casa das pessoas esse tema. Que nós, enquanto sociedade, possamos apoiar a luta trans, que os direitos sejam assegurados, e que essas pessoas sejam ouvidas e respeitadas”, afirmou Carol. 

E a resposta do público, ‘cúmplice’ de Ivana nessas descobertas, tem sido a melhor possível: “Estão torcendo pela felicidade da Ivana, sentem compaixão pelo sofrimento dela. Muitos ainda me dizem que estão muito felizes por esse tema estar na novela das 9h”.

Artistas da Globo