Julio Andrade, o Arthurzinho de ‘Passione’: ‘Foi uma entrega aflorar meu lado delicado’

por | jun 30, 2016 | Entretenimento

Em “Passione”, da Rede Globo, Arthurzinho não cansa de ouvir os lamentos de sua milady. Ele aconselha, ajuda e está sempre a postos para ajudar a patroa. Na vida real, Julio Andrade, intérprete do mordomo de Stela ( Maitê Proença), revela que também faz o estilo ‘amigão’ e – despido de preconceitos – aposta na sensibilidade masculina.

“Acho que as coisas estão mudando e se invertendo aos poucos. O homem atual tem que correr atrás da mulher moderna, tem que se moldar e ser romântico, sim. Acho que hoje o homem entende muito mais o universo feminino. Somos todos iguais”, pontua em conversa com o TE CONTEI.

Na trama de Silvio de Abreu, o ator, de 33 anos, está sempre com o visual impecável. Cabelo arrumado, pele lisinha e roupas sem nenhum amassado ajudam a compor o personagem. Movido por Arthurzinho, Julio agregou a sua rotina um pouco mais de vaidade. “Sempre mantive a ordem, mas, além disso, tenho que manter a imagem clean. Comprei uma necessáire e ela está sempre comigo, coisa que nunca tinha feito antes. Tem várias coisas de cabelo, algumas para pele e perfume, claro”, conta.

Julio Andrade e Maitê Proença em ‘Passione’, da Globo (Reprodução/Rede Globo)

No entanto, apesar da pequena mudança na rotina, o reconhecimento na rua encontra dificuldade por um fator-chave. “Não sou tão ajeitadinho quanto o Arthurzinho. Ando mais à vontade e por isso as pessoas demoram a reconhecer. Até mesmo pessoas mais conhecidas dizem que fico muito diferente”, diz.

Antes de atuar em “Passione”, Julio Andrade já participou da novela “Ciranda de Pedra” e interpretou Raul Seixas no especial “Por Toda Minha Vida”. Quando recebeu a notícia sobre o novo trabalho, o ator contou a novidade aos amigos, mas viu muita gente torcer o nariz ao saber que interpretaria um homossexual. “Senti de cara o preconceito de algumas pessoas e isso me deixou muito triste, mas, por outro lado, cada vez tenho menos amarras. Acho que as novelas podem levantar essa bandeira da igualdade. Foi uma entrega aflorar meu lado delicado”, conta.

Julio Andrade começou a carreira aos 15 anos soltando a voz, e circulou por vários barzinhos tocando MPB. Depois de descobrir o cinema, deixou o lado cantor um pouco de lado, mas a veia musical continua pulsando a cada palavra. “Amo música. Todos nós temos nossa trilha sonora e diria que a minha é Gonzaguinha. Ele diz tudo que precisa ser dito de forma simples”, revela o ator, que é autodidata e toca piano, bateria e violão.

Ansioso pelo rumo que seu personagem vai tomar, Julio Andrade torce por uma reviravolta na trama. “Novela é uma obra aberta e tudo pode acontecer, mas gostaria que acontecesse uma grande coisa. Seria legal se ele se envolvesse com a Maitê, por exemplo”, finaliza.

Por Naiara Sobral, do Te Contei